Publicidades

22/07/2018 | 18:16 | Esporte

Grêmio sofre gol no início e perde para o Vasco por 1 a 0

Mesmo com um a menos em campo, time carioca segurou pressão gremista na partida

André Fabiano / Código19/Folhapress


Foi curta a permanência do Grêmio no G-4 do Brasileirão. Neste domingo (22), em São Januário, mesmo contra um adversário que teve um jogador expulso ainda no primeiro tempo, o time foi ofensivamente improdutivo e perdeu por 1 a 0 para o Vasco. De novo, não soube encontrar soluções contra uma equipe que fechou-se na defesa, seu maior problema até agora na temporada. Foi visível o prejuízo da ausência de Maicon, que deixou a equipe sem capacidade de criação. Com o resultado, o Grêmio baixou para a sexta posição. Na quinta, recebe o vice-líder São Paulo. 


Muito cedo, a dois minutos, Henrique chegou ao fundo, cruzou na direção da área, Andrés Rios antecipou-se a Geromel, concluiu, a bola desviou levemente no peito do zagueiro e encobriu Grohe.


Quando se imaginava uma reação, o Grêmio seguiu apático, longe de seu normal. Por isso, só não sofreu o segundo gol em arremate de Andrey devido a boa defesa de Grohe. Mais clara ainda foi a chance aos 13 minutos. Vencido por Pikachu, o que ocorreu em todos os lances em que esteve em campo, Marcelo Oliveira deixou o atacante na frente de Grohe. Com um salto preciso para o lado, o goleiro evitou que a bola entrasse.


A ausência de Maicon era fortemente prejudicial ao Grêmio. Faltava ao time o volante capaz de romper as linhas de marcação do adversário, tanto com passes quanto com dribles e, acima de tudo, chutes. O time, assim, tornava-se previsível, situação agravada pela tarde pouco inspirada de Luan, que atrapalhava-se sozinho ou era contido pela marcação. André, apesar do esforço em recuar para participar do início das jogadas, também não alterava o quadro. Restava o habitual envolvimento de Everton. Aos 17 minutos, ele fez cruzamento no peito de André, que, dentro da área, não conseguiu dominar.


Marcelo Grohe precisou trabalhar outra vez aos 20 minutos, ao defender no canto esquerdo falta batida por Giovanni Augusto. Somente a 22 minutos o Grêmio, enfim, incomodou. Depois de arremate de Jailson, Martin Silva espalmou para o lado e, na sequência, Marcelo Oliveira chutou cruzado, para fora.


Foi preciso a expulsão de Henrique, pela segunda falta seguida, para que o jogo sofresse uma alteração em seu andamento. Com um jogador a mais, Renato trocou Marcelo Oliveira por Marinho, recuou Cícero para formar uma linha de três zagueiros com Geromel e Bressan e passou Ramiro para o meio. Ainda que não criasse chances claras, o Grêmio ao menos passou a ter o volume ofensivo que lhe faltara até então.  


Como se previa, o início do segundo tempo marcou uma forte pressão do time de Renato, com arremates de Marinho e Ramiro em menos de dois minutos. A posse de bola aumentou, mas não teve correspondência na qualidade, com passes errados em excesso. Com o único objetivo de manter a vantagem, o Vasco não se constrangeu em resguardar-se na intermediária, defendendo-se como podia. Seguidamente com faltas, fazendo de Everton seu alvo mais frequente. 


Renato percebeu a falta de soluções e colocou Douglas no lugar de Léo Moura. O Grêmio, contudo, sempre buscou a solução mais simples, os cruzamentos para a área, que quase sempre paravam na cabeça de Breno. Quando chutou, foi sem força, com André, a 25 minutos, nas mãos de Martin Silva.


Pressionado, o Vasco também ganhou tempo em demoradas reposições de seu goleiro. E a cada queda de jogadores, que exigiam atendimento dentro de campo. Também passou a incomodar nas rápidas investidas de Paulo Vitor, que entrara no lugar de Andrés Rios. 


O Grêmio não conseguiu traduzir a pressão em chutes. Os arremates, no máximo, paravam no corpo dos zagueiros do Vasco, como ocorreu duas vezes em lances de Marinho, dentro da área. Com tamanha incapacidade, era dificil esperar algo melhor, mesmo contra uma equipe frágil como o Vasco. 

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer