Publicidades

08/09/2018 | 09:11 | Polícia

Quatro desaparecimentos que permanecem mistério no RS

Contadora, modelo, adolescente grávida e professora universitária estão entre os casos rumorosos no Estado

Nicolle, Cintia, Sandra e Cláudia estão entre as pessoas que sumiram nos últimos sete anos no Estado (Reprodução / Reprodução)


A cada hora um desaparecimento é registrado no Rio Grande do Sul. Somente entre janeiro e julho deste ano foram 5,1 mil casos. A maioria das pessoas, segundo a Polícia Civil, acaba encontrada. No entanto, alguns permanecem sendo mistério.  


Quatro deles são desaparecimentos de mulheres que até hoje não foram totalmente esclarecidos.  O mais recente aconteceu em Palmeira das Missões, no Noroeste, onde uma contadora sumiu em janeiro. 


Embora o corpo de Sandra Mara Lovis Trentin não tenha sido encontrado, para a Polícia Civil e o Ministério Público, ela foi raptada e morta a mando do marido,  que era presidente da Câmara de Vereadores de Boa Vista das Missões.  Ele nega o crime. 


Os outros casos envolvem uma modelo, desaparecida desde o ano passado em Cachoeirinha, uma professora universitária, que sumiu em Pelotas, na Região Sul, há três anos e uma adolescente, que desapareceu de Três Passos. 


Confira os casos: 


Sandra Mara Lovis Trentin  - 30 de janeiro de 2018


Palmeira das Missões 


A contadora, de 48 anos, deixou a casa onde vivia com o marido, o vereador Paulo Ivan Baptista Landfeldt, e duas filhas, em Boa Vista das Missões, passou no escritório e foi para a cidade vizinha.A caminhonete dela foi encontrada abandonada. No mês seguinte, Ismael Bonetto foi preso, acusou o político de ser o mandante do crime, mas voltou atrás e disse que inventou a história para extorquir o vereador. Landfeldt, que responde pela morte da mulher, foi solto da prisão em junho. O processo está em fase de oitivas. Os dois réus negam.


Nicolle Brito Castilho Silva - 2 de junho de 2017 


Cachoeirinha 


Aos 20 anos, a modelo desapareceu quando o pai saiu para buscar lanche. Uma câmera registrou o momento em que ela entrou em um carro em frente à casa. Para a acusação, um apenado do Presídio Central determinou a morte por vingança, convencido de que ela havia delatado a rivais o endereço de um membro de sua facção, que acabou assassinado com a companheira dias antes. Dois homens e uma mulher são réus por homicídio e destruição de cadáver. Os nomes não foram informados.


Cláudia Pinho Hartleben - 9 de abril de 2015


Pelotas 


Saiu da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), onde era professora e coordena­va o curso de Biotecnologia. Passou na casa de uma amiga e, de lá, seguiu para a própria residência. Depois disso, a mulher de 47 anos nunca mais foi vista. O Ministério Pú­blico chegou a denunciar o ex-marido e o fi­lho dela pelo suposto crime, mas a Justiça não aceitou. Os dois negam envolvimento no su­miço da educadora. O caso segue em fase de apuração. 


Cintia Luana Ribeiro Moraes - 13 de julho de 2015


Três Passos 


Aos 14 anos, a adolescente grávida de sete meses e meio saiu da casa da mãe para se encontrar com o pai do filho que esperava. A jovem prometeu que retornaria em 20 minutos, mas nunca mais voltou. O agricultor, que era casado com outra mulher, disse à polícia que entregou R$ 10 mil para a garota ter o bebê em outra cidade. A investigação chegou a fazer buscas na Argentina, mas o inquérito não conseguiu apontar o que aconteceu com a jovem.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer