Publicidades

15/09/2018 | 19:04 | Esporte

Com gols de Douglas e Juninho Capixaba, Grêmio vence Paraná na Arena

Tricolor vai a 44 pontos e assume provisoriamente a quinta posição na tabela

Estreante do dia, Juninho Capixaba marcou um belo gol de cabeça (André Ávila / Agência RBS)


No dia dos 115 anos do clube e dos 200 jogos da Arena, o Grêmio avançou uma posição na tabela. Com reservas, bateu o agonizante Paraná por 2 a 0 e ultrapassou o Atlético-MG, que atua neste domingo (16), contra o Cruzeiro. Pelo número de vitórias, o time de Renato finalizará a rodada atrás do Flamengo e fora do G-4, mas ainda perto dos primeiros colocados, como exige o treinador. Preservados, os titulares treinarão na manhã deste domingo (12) e, à noite, viajam à Argentina, para o jogo de terça (18), contra o Tucumán, pela Libertadores. 


Desde cedo, ficou claro o desenho da partida. Em seus últimos esforços para escapar do rebaixamento, o Paraná fechou-se no próprio campo, ocupado, somente, em não sofrer gols. Richard, seu goleiro, ganhou tempo sempre que possível nas reposições. O Grêmio, diga-se, colaborou para facilitar a tarefa do lanterna. Sem um centroavante de referência, o time perdeu tempo em infrutíferos passes laterais, que arrancavam bocejos dos presentes à Arena.


O setor mais forte do time era o direito, com intensa participação de Léo Moura, muito mais um atacante do que um lateral. Como Alisson foi bem marcado, faltou quase sempre um melhor complemente para suas jogadas. Pela esquerda, Juninho Capixaba, em sua estreia, teve pela frente uma ampla faixa de gramado e avançou sempre que possível. Aos 19 minutos, ele criou a primeira jogada de perigo. Depois de driblar a Júnior, fez passe para Thonny Anderson, que bateu de direita e Richard defendeu com precisão. Na volta, Alisson simulou pênalti, não marcado pela arbitragem.


O problema era a criação. Tanto Kaio e Matheus Henrique foram modestos na armação. Douglas revezou passes bem calibrados com um certo distanciamento das ações. E Pepê, por vezes, abusou dos dribles.        


Também faltava aceleração ao time. Nas poucas vezes em que fez isso, o Grêmio criou riscos. Como aos 36 minutos, no bom cruzamento de Léo Moura, à meia altura, concluído por Alisson por um chute forte, que forçou Richard a sua melhor defesa na partida. Na volta, Capixaba bateu para fora. Pena, para a torcida, que esse lance foi uma exceção. Quanto ao Paraná, que já se satisfazia com o empate, teve chance ainda de reclamar de um pênalti. Aos 39 minutos, Rafael Grampola chutou contra o corpo de Marcelo OIiveira e a bola, na sequência, atingiu o braço do zagueiro. 


Sem alterações, o Grêmio aumentou o ritmo na segunda etapa. Ciente de que não poderia desperdiçar a chance de pontuar contra o time de pior campanha, foi mais objetivo nas ações. E quase marcou aos seis minutos. Em cruzamento de Pepê, Alisson demorou a chutar e embolou-se com os marcadores. Mas redimiu-se apenas um minuto depois, ao sofrer pênalti de Igor sobre a linha de fundo. Na cobrança, com classe, Douglas deslocou o goleiro e colocou o Grêmio em vantagem.


Precipitado, Kaio desperdiçou a chance de ampliar aos nove. Depois de receber passe de Alisson, optou pelo chute, ainda que sem o melhor ângulo, e a bola foi para fora. Aos 18 minutos, Alisson, com lucidez, fez o cruzamento onde estava Juninho Capixaba, que, de cabeça, venceu Richard e fez 2 a 0. 


Renato, então, atendeu aos anseios da torcida e lançou Everton e Jean Pyerre. Já em seu primeiro lance, o agora atacante da Seleção Brasileira teve uma chance, ao concluir por cima após cabeceio errado de Rayan. Depois, com mais tempo, atordoou ainda mais a defesa do Paraná com suas investidas. Numa delas, presenteou a Thonny Anderson, que esquivou-se de de chutar e passou a Alisson, que não alcançou. 


Marinho ainda receberia sua chance em um jogo já decidido. Na tarde de seu aniversário, o Grêmio fez o que dele se exigia e segue candidato no Brasileirão.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer