Publicidades

19/09/2018 | 05:19 | Esporte

Grêmio vence o Tucumán por 2 a 0 e se aproxima da semifinal da Libertadores

Alisson e Everton marcaram os gols gremistas da partida na Argentina

Alisson (23) marcou o primeiro gol do Grêmio na partida - LUCAS UEBEL / Gremio.net


Com a estrela de Renato Portaluppi, o Grêmio contou com uma estratégia ideal para encaminhar um lugar nas semifinais da Libertadores e aumentar o sonho do tetra da competição. Nesta terça-feira (18), com uma atuação digna do atual campeão da América, o time gaúcho suportou a pressão e soube esfriar a festa da torcida do Atlético Tucumán com uma vitória por 2 a 0. Alisson, a surpresa da escalação, abriu o placar e deu a assistência para Everton garantir uma confortável vantagem para o jogo de volta das quartas de final, dia 2 de outubro, na Arena.


Sem a figura do centroavante, Renato encontrou uma solução tática para armar o Grêmio contra o Atlético Tucumán. Saiu o 4-2-3-1 e o time foi armado em um 4-1-4-1, com Maicon posicionado na frente dos zagueiros, Ramiro e Cícero centralizados, e dois velocistas pelos lados do campo. Se não teria a figura de referência na área, o time contaria com a velocidade de Alisson e de Everton para ameaçar no contra-ataque.


O que Renato pensou da partida aconteceu. A pressão inicial do Atlético Tucumán, de fato, foi muito forte. Mas ineficaz. E com a experiência de seus principais jogadores, o Grêmio suportou as investidas do adversário e começou a construir sua classificação as semifinais da Libertadores no caminho traçado por Renato ainda nas prancheta da preleção. A ideia foi investir na velocidade, explorando os espaços, no contra-ataque. E contar com Cicero como referência no jogo aéreo.


Logo nos minutos iniciais, o Atlético Tucumán se abasteceu da energia que vinha das arquibancadas superlotadas do Estádio José Fierro. Os argentinos se empolgavam e pulavam como se fosse um gol do time da casa com qualquer aproximação da bola da trave defendida por Marcelo Grohe. Aos dois minutos, após cobrança de escanteio na área, a bola sobrou livre para Leandro Diaz. O centroavante argentino finalizou, a bola desviou, e o grito de lamento da torcida ecoou pelas arquibancadas pintadas de azul e branco.


Talvez até pela questão emocional, Noir saiu lesionado com seis minutos. O jogador correu demais para evitar um lateral e caiu chorando no gramado, com a mão na coxa. Pelo menos recebeu a homenagem com o aplauso da torcida durante sua saída de campo na maca.


Pelo lado direito, um cruzamento despretensioso quase rendeu o gol de Pulga Rodríguez aos seis minutos. O ídolo da torcida argentina arriscou uma bicicleta, mas que serviu apenas para tirar a bola do alcance de Diáz.


Aos nove, Leonardo Gomes escorregou e deixou a bola em boas condições para Pulga Rodríguez. A tentativa de assistência para um companheiro foi interceptada por Kannemann, que levou um chute e ficou caído no gramado para esfriar um pouco o ímpeto adversário. Mas aí Ramiro se atrapalhou na frente da área e tocou com a mão na bola nos últimos centímetros de gramado fora da área. Aos 15, Núñez chutou, e Grohe foi buscar no ângulo direito. O ânimo do torcedor local atingiu o ápice com a defesa. Mas a pressão não rendeu gols. E o Grêmio acordou após ser acuado.


Aos 22, Luan iniciou a primeira boa jogada de ataque do time de Renato. O atacante voltou para armar e encontrou Leonardo Gomes invadindo a área. A bola foi afastada pela defesa, mas Ramiro recuperou e rolou para chute de Alisson. Defesa sem dificuldades para Lucchetti.


Aos 29, Maicon encontrou o passe essencial para a estratégia de Renato. Completamente livre pela esquerda, Everton recebeu a bola e partiu em direção ao gol. Mas o atacante gremista prendeu demais a bola, ignorando Alisson livre no meio da área, até escorregar e devolver a bola nos pés de Bianchi.


Após arrefecer a pressão inicial dos mandantes, o Grêmio impôs sua condição de defensor do título da Libertadores. A festa argentina sofreu um baque repentino. Após cobrança de falta do meio do campo, a bola chegou à área do Atlético Tucumán, Cícero desviou de cabeça como se fosse um centroavante e criou a posição ideal para o chute de pé direito de Alisson, que apareceu de surpresa nas costas da defesa. Uma bomba indefensável para Luchetti e um golpe no ânimo da torcida local aos 34 minutos.


Ainda atordoados pelo gol, os jogadores do Atlético Tucumán se perderam. Com o auxílio do VAR, o árbitro expulsou corretamente Núñez, que substituiu Noir lesionado, por chutar e depois pisar nas costas de Alisson. O torcedor se ergueu apenas mais uma vez, mas de irritação, para reclamar da condução da partida pelo árbitro Wilmar Roldán ao final do primeiro tempo.


Com um a mais, a estratégia de Renato para explorar os espaços deixados pelo Atlético Tucumán amarrou o adversário. A frente da área era protegida pelo trio Maicon, Ramiro e Cícero. Alisson e Everton ajudavam os laterais na marcação e se apresentavam ao ataque em condições favoráveis de explorar o confronto direto com os laterais.


Foi assim que saiu o segundo gol do Grêmio. Alisson recebeu em profundidade e viu Everton ultrapassando o seu marcador. O cruzamento rasteiro encontrou Cebolinha, que só empurrou a bola para o fundo das redes, com 10 minutos de partida.


A torcida argentina tentava mandar forças para dentro do gramado, mas o Atlético Tucumán não conseguia encontrar brechas na solidez defensiva do Grêmio. Deu até para Maicon receber um conveniente cartão amarelo, o que o tira do jogo de volta no dia 2 de outubro. Everton ainda teve a chance de ampliar após boa jogada de Pepê, mas bateu ao lado da trave.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer