Publicidades

25/08/2019 | 18:30 | Esporte

Com um a mais, Inter leva virada e perde para o Goiás no Brasileirão

Time alternativo saiu na frente com Guilherme Parede, mas sofreu dois gols no segundo tempo

Nico López esteve com o time reserva no Serra Dourada - Ricardo Duarte / Inter/Divulgação


O Goiás é um time ruim. Sofreu um gol aos 11 minutos do primeiro tempo, quando também teve um jogador expulso. E, ainda assim, virou o jogo sobre o Inter. O time B, que havia vencido o Fortaleza fora de casa, na semana passada, desta vez perdeu uma grande chance de recolocar o clube no G-6 do Brasileirão, além de registrar uma derrota histórica, daquelas que serão recordadas por anos e anos.


Com um futebol lento, arrastado, e sem conseguir definir as jogadas de ataque, o Inter cedeu a derrota aos 50 minutos do segundo tempo para uma equipe que foi vaiada a tarde toda pela própria torcida. Três pontos que se foram e que, talvez, façam muita falta em dezembro. Nesta quarta-feira (28), o Inter A voltará à Libertadores com a obrigação de bater o Flamengo por três gols de diferença, a fim de avançar à semifinal do torneio, ou de ganhar por 2 a 0, forçando a decisão nos pênaltis.


Com um Serra Dourada com pouco público, o Inter se sentiu à vontade diante do time de Rafael Moura. Tanto é assim que, aos 11 minutos, aconteceu o lance que mudaria o jogo. Rithely roubou a bola de Leo Sena com um carrinho, Nonato dominou, passou para Wellington Silva, que deu um passe milimétrico para Guilherme Parede, que ganhou da zaga na velocidade, invadiu a área, e bateu na saída do goleiro: Inter 1 a 0.


Antes de confirmar o gol, porém, o árbitro Marielson Alves Silva foi convocado para analisar o lance na tela do VAR. Cinco minutos depois, ele deu o gol e ainda expulso Leo Sena que, segundo o comitê de arbitragem, chutou a cabeça de Rithely no momento em que saltou sobre o colorado, na origem da jogada.


Com um jogador a menos em campo, o Goiás sacrificou Rafael Moura e colocou em seu lugar o meia uruguaio Leandro Barcia. Em seguida, o Inter perdeu Natanael, por lesão muscular. Erik foi a campo em seu lugar. Com calor intenso e clima seco, a partida foi paralisada aos 29 minutos para que os atletas se hidratassem. 


Na retomada da partida, o Inter bem que tentou ampliar, mas sequer conseguiu pressionar. Aos 35 minutos, Michael fez fila na defesa do Inter e bateu cruzado, mas Marcelo Lomba conseguiu buscar. Em seguida, Odair Hellmann abriu ainda mais o time, na tentativa de definir a vitória: sacou Rithely e colocou Sarrafiore. Bruno Silva e Nonato passaram a ser os volantes com maiores precauções defensivas. 


O primeiro tempo correu para o final com o Inter mantendo o 1 a 0, mas sem ataques mais contundentes para ampliar o escore, e com o Goiás sobrevivendo de lances individuais de Michael e de Barcia, mas sem conseguir o empate. Na segunda etapa, o Inter deixou de matar o jogo logo a dois minutos. Parede cruzou na pequena área e Wellington Silva, atrapalhado por um defensor, desperdiçou o gol.


Apesar de contar com um jogador a mais desde os 11 minutos, o Inter não conseguia ampliar, e dava chances ao Goiás. Michael, de cabeça, viu a sua conclusão cruzar por toda a pequena área colorada. O Goiás, mesmo sendo um time limitado e com 10 em campo, ameaçava o empate.


A lerdeza da transição defesa-ataque impedia o Inter de resolver logo o jogo. Enquanto isso, a torcida do Goiás vaiava o próprio time em campo. E o Inter não se aproveitava disso. Aos 21 minutos, um lance que prova que a fase de Nico López é de uma gravidade profunda. Nonato lançou Parede na área que, sozinho, escorou com o peito para Nico, também sozinho, sem marcação alguma, apenas com o goleiro na frente, chutou na trave. O lance acabou anulado por impedimento, mas quando a fase é ruim... até o mau time do Goiás reage e empata o jogo.


Aos 25 minutos, a morosidade colorada foi castigada. Michael recebeu na área, deixou sentados Emerson Santos e Bruno Silva, e bateu no canto de Lomba. O Inter sofreu um gol tendo a vantagem de um jogador a mais em campo desde o começo da partida. Um feito. Aos 40 minutos, de novo Nico. Deu um balãozinho em um marcador e, na hora de marcar um golaço, chutou anemicamente, para a defesa do goleiro.


Aos 50 minutos, Rafael Vaz cobrou falta e acertou o ângulo direito. Um golaço e um merecidíssimo castigo para um time que não teve competência para ganhar uma partida com um jogador a mais desde o começo do jogo.  

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer