Publicidades

09/09/2019 | 09:09 | Política

Cirurgia em Bolsonaro é bem-sucedida, e Mourão fica na Presidência até quinta-feira

Procedimento tinha previsão de duração de duas horas, mas acabou levando cinco. Presidente recebeu visitas do filho Flávio Bolsonaro, e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

Bolsonaro recebeu a visita dos filhos no quarto do hospital - Reprodução / Twitter


A quarta cirurgia do presidente Jair Bolsonaro (PSL) depois do ataque a faca que sofreu há um ano demorou além do previsto neste domingo (8), mas acabou sendo bem-sucedida, segundo a equipe médica responsável. Bolsonaro manteve quadro clínico estável depois do procedimento, ficou disposto e deverá manter repouso.


O vice-presidente, Hamilton Mourão, ficará até quinta-feira (12) à frente da Presidência da República. Depois, Bolsonaro poderá despachar do próprio hospital. 


— Temos condições de proporcionar ao presidente o despacho normal, não obstante as questões procedimentais-médicas que vão exigir o descanso do presidente — disse o porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros.


A cirurgia foi realizada no Hospital Vila Nova Star, na Vila Nova Conceição (zona sul de São Paulo), para corrigir uma hérnia que surgiu na região onde foram feitas três operações depois do ataque a faca durante a campanha eleitoral de 2018 na cidade de Juiz de Fora (MG).


O procedimento, considerado de média complexidade, tinha previsão de duração de duas horas, mas acabou levando cinco – sendo concluído às 12h40min. O médico Antônio Luiz Macedo, responsável pela cirurgia, disse que foram encontradas aderências no intestino que demandaram mais tempo da equipe.


— Normalmente uma hérnia não demora tudo isso que demorou, mas a gente não contava que tinha aderido tudo de novo em relação à cirurgia de 28 de janeiro – afirmou Macedo, em referência à data da operação de retirada da bolsa de colostomia.


O médico disse que a alta clínica do presidente é esperada para ocorrer dentro de cinco ou seis dias. No entanto, ele só poderá voltar a Brasília, se não houver complicações, de 7 a 10 dias após a cirurgia. 


Macedo não descarta a possibilidade de que surjam novas hérnias no futuro, mas as chances são pequenas, em torno de 6%, segundo ele. Bolsonaro diz querer estar com a saúde restabelecida a tempo de discursar na Assembleia Geral da ONU, em 24 de setembro, em Nova York. Ele afirmou que vai comparecer ao evento "nem que seja de cadeira de rodas, de maca".


No fim da tarde de domingo, Bolsonaro se pronunciou em sua rede social sobre o procedimento. "Mais uma cirurgia. Desta vez foram 5 horas, mas estamos bem. Obrigado a todos pelo apoio e orações! Obrigado Deus pela minha vida! Logo estarei de volta ao campo. Irruuu!"


Mais cedo, o senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente que chegou na manhã deste domingo ao hospital junto com seu irmão, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), publicara em rede social que seu pai "já está no quarto, disposto e bem-humorado".


No final da tarde, Macedo afirmou que Bolsonaro não estava com dor e que deveria andar até o banheiro ainda neste domingo. Segundo ele, essa movimentação é imprescindível para a boa recuperação do presidente. Logo após a cirurgia, Bolsonaro vestiu uma cinta elástica para pressionar o abdome operado e ajudar no processo de recuperação.


O médico disse que orientou o presidente a evitar falar e receber visitas, mas Bolsonaro não seguiu a orientação. Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, esteve no hospital conversando com o presidente.


Por enquanto são descartados exames de imagens, apenas clínicos. Bolsonaro está na suíte presidencial e no quarto ao lado estão alojados as pessoas do seu estafe presidencial.


A partir dessa segunda, o presidente passa a ter uma dieta com líquidos. Ele terá visitas restritas — não há proibição, mas seus auxiliares afirmam que tentarão evitá-las. O quarto hospitalar tem televisão, sofá e um leito.

Fonte: Gaúcha ZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer