Publicidades

30/09/2020 | 05:10 | Esporte

Inter empata com América de Cali e encaminha classificação na Libertadores

Apesar da expulsão de Leandro Fernández, equipe de Eduardo Coudet segurou 0 a 0 na Colômbia

Ricardo Duarte / Internacional/Divulgação


Dado o cenário, um resultado positivo. Com um a menos, de novo, por quase todo o segundo tempo, o Inter segurou um empate em 0 a 0 com o América de Cali, fora de casa, e agora só depende de um empate contra a já eliminada Universidad Católica-CHI para se classificar às oitavas da Libertadores. A vaga pode vir até com derrota, desde que o Grêmio (classificado por antecipação) não perca para o América na última rodada. Mas agora, o foco da equipe se volta ao Brasileirão — e ao Gre-Nal marcado para sábado, na Arena.


Coudet escalou um time cheio de novidades. Na zaga, promoveu o retorno de Moledo. Na lateral esquerda, a estreia de Leonardo Borges, cria da base, no grupo principal. O meio foi montado com Lindoso, Patrick e os guris Nonato e Praxedes. Na frente, o escolhido para parceiro de Thiago Galhardo foi Leandro Fernández. 


No América, Duván Vergara ficou de fora. O clube colombiano informou que um jogador testou positivo para covid-19, mas não confirmou que tenha sido o atacante. Teve mudança também no gol, com Graterol na vaga de Chaux.


No primeiro minuto do jogo, Paz carimbou a canela de Nonato com muita violência e levou cartão amarelo. Foi uma espécie de cartão de visitas do que se aproximava. Na falta, Fernández quase enganou o goleiro, que se esticou para evitar o gol por cobertura.


Aos nove, o primeiro chute a gol. Leonardo Borges tentou driblar na defesa, perdeu a bola. Arias roubou, entregou a Batalla, que passou a Sierra, que bateu. Lomba defendeu sem dar rebote. Pouco depois, outro problema. Saravia sentiu dores no joelho e precisou sair do jogo. Heitor entrou em seu lugar.


A partida seguiu em ritmo lento, que servia ao Inter. O América não apertava a marcação, deixava que o time gaúcho trocasse passes na defesa e avançasse até o meio do campo. Dali por diante, o acúmulo de gente e a falta de criatividade impediam a construção de oportunidades. De sua parte, as investidas dos colombianos encontravam na dupla Moledo e Cuesta uma barreira que simplificava o quanto podia, especialmente quando um temporal começou a cair sobre Cali, a partir da metade do primeiro tempo. 


Neste cenário, apenas os lances oriundos de bola parada poderiam levar perigo. Aos 42, o América teve duas oportunidades assim, em cobranças de escanteio. Na primeira, a defesa do Inter cortou para trás, próximo à trave. Na segunda, Ramos girou em cima da zaga, mas isolou o chute.


Depois da conversa no vestiário, Coudet mexeu no time. Saiu Praxedes, entrou Boschilia. Mais experiente, o meia deveria dar mais criatividade e peso ofensivo. Passou a marcar mais à frente e até conseguiu duas roubadas de bola no campo de ataque. Mas chute, mesmo, só deu com Fernández, cobrando uma falta lateral na direção do gol. Graterol espalmou. 


O América seguiu ameaçando em jogadas de faltas. Em uma, Moledo cortou de cabeça. Na segunda, a complicação geral. Eram 13 minutos. A falta, frontal, cometida por Moledo demorava para ser cobrada por confusão na barreira. Paz provocou Fernández, que deu uma cotovelada no jogador colombiano. O árbitro viu e expulsou o atacante colorado. 


Com um a menos, de novo, o Inter precisaria resistir. O técnico do América colocou Jaramillo, de boa atuação no Beira-Rio, para deixar o time mais ofensivo. Aos 17, a melhor chance. Após cruzamento da esquerda, Ramos se antecipou a Moledo e cabeceou. Lomba fez grande defesa. No rebote, o mesmo Arias ajeitou rasteiro para trás e Arias pegou mal na bola.


Imediatamente, Coudet reforçou a marcação. Tirou Nonato e mandou a campo Musto. Se havia alguma esperança de futebol mais ofensivo a partir do início do segundo tempo, a expulsão terminou com ela.


O Inter foi conseguir chutar a gol aos 27. Em cobrança de falta, Boschilia fez Graterol trabalhar, defendendo (dando até um passo perigoso para trás) em cima da linha. Aos 31, uma boa chance. Musto roubou a bola na intermediária, entregou a Thiago Galhardo, que passou a Patrick. O meia entrou na área e bateu forte, mas por cima.


Foi a última ação de Thiago Galhardo. Aparentando cansaço, ele deu lugar a Abel Hernández. Na sequência, o América só não fez gol por milagre. Aos 34, Moreno, que recém havia entrado, recebeu entrando na área em velocidade. Chutou. Moledo, de carrinho, desviou. A bola encobriu Lomba e acertou o travessão. 

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer